segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Sugestão de leitura: Arteterapia e mitologia criativa

Arteterapia e mitologia criativa*
Autora: Patrícia Pinna Bernardo


RESUMO

A perspectiva mito-hermenêutica, em sua interface com a psicologia analítica, fundada por C. G. Jung, e com a arteterapia, ajuda-nos a compreender o sentido que podem adquirir as atividades artísticas, quando colocadas a serviçode proporcionar à alma uma linguagem por meio da qual ela possa exprimir-se, fornecendo-nos uma fundamentação teórica que embasa a utilização de diferentes recursos arteterapêuticos nos campos terapêutico, pedagógico e preventivo, promovendo a saúde mental. Tentando construir pontes entre nossa história de vida e a trama coletiva na qual ela está inserida, começamos a trabalhar sobre nossa mitologia pessoal. Com isso, podemos encontrar grandes padrões universais, reconhecendo-nos nas tramas mitológicas e reconhecendo-as em nossas histórias vivenciadas. Perceber-nos como parte dessa totalidade nos enriquece como seres e nos coloca como cidadãos do Universo, como partícipes dessa grande sinfonia cósmica à qual trazemos nosso “tom”.

Palavras-chave: mitologia criativa, arteterapia, psicologia analítica, mito-hermenêutica, saúde mental.

*Artigo publicado pela Revista Trama Interdisciplinar - Revista do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Educação, Arte e História da Cultura, Vol 1, No 2 (2010)
Leia o texto completo no link:

Ou o solicite para Patrícia, pelo e-mail: pat.pinna@uol.com.br

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Sugestão de leitura: Arteterapia e hemodiálise

O ciclo Vida-Morte-Vida na hemodiálise: histórias, cores, vazios e arte (*)
Autora: Ideli Domingues

RESUMO

Embora a morte faça parte da vida, costuma ser um tema evitado, portanto, negado e pouco refletido, talvez em nossa pretensa ilusão de retardá-la. Aparentemente, somente quando ela surge em nosso horizonte, seja quando uma doença nos ameaça, seja quando perdemos uma pessoa próxima, a reflexão se impõe. O presente relato de experiência pretende ampliar a visão sobre o incessante ciclo vida-morte-vida, no contexto da hemodiálise, quando um grupo de pacientes, voluntariamente, participou de uma atividade arteterapêutica, cujo propósito foi desenvolver recursos internos para o enfrentamento da doença e da possibilidade da morte próxima. Além disso, pretende contribuir para a ressignificação do olhar para o ciclo vida-morte-vida e o sentido do cuidar para os profissionais e instituições da saúde.

Palavras-chave: morte, vida, arteterapia, contação de histórias, vínculo, Psicologia Social

(*) Artigo da Revista Prática Hospitalar, ano XII, no. 72, nov/dez 2010, p.96-100.
Mais informações sobre como obter o artigo completo para leitura, entrar em contato com Ideli: ideli.domingues@gmail.com